Dieta francesa

dieta-francesa

Por essa você não esperava. A deliciosa dieta descoberta na França é possível graças à boa genética dos europeus entre outros fatores que os favorecem… Que inveeeja! Ficou interessada? Nós também. Você já deve ter reparado ou ouvido dizer que, as européias, em especial as francesas são sinônimo de sofisticação e elegância.

Donas de uma beleza nobre, elas (em sua maioria) têm corpo esbelto e com tudo no lugar. E para nos deixar mais intrigadas ainda, elas consomem normalmente queijos gordurosos, pães divinos, chocolates tentadores e os mais variados e desejados vinhos, que muitos de nós – adoraria dar uma provadinha.

Ah, para tudo! Como assim? Elas são lindas, magras e se deliciam com todos esses itens calóricos? A gente ainda não contou para você a do Papai Noel, né? Pois é, brincadeiras à parte a questão é tão verídica que existem livros e pesquisas publicadas sobre “A não-dieta-dos franceses”, título inclusive, da renomada obra do médico americano Will Clower, Editora Campus.

Com apenas 10 passos, a sugestão proposta pelo especialista não exige de nós aquela tão conhecida neurose de contagem das calorias ingeridas, nem restrições que nos fazem sofrer. E quem já se habilitou a fazer – disse que dá resultados satisfatórios.

Como comer bem e não engordar
Inicialmente é preciso deixar bem claro que, grande parte ou praticamente todos, os médicos falam em reeducação alimentar como ponto fundamental para uma vida mais saudável. E eles estão com toda a razão. A velha receita é aquela: evitar o consumo exacerbado de gorduras, frituras, açúcares e aos poucos deixar a carne vermelha também. Em troca, substituir por alimentos mais ricos em fibras, consumir legumes, vegetais, frutas e se possível, manter uma rotina de alimentação mais balanceada. Bem, até aí, OK. Todos nós estamos carecas de saber. Porém, uma coisa é saber e a outra é fazer, concorda?

O médico-escritor passou uma boa temporada na Europa, França, observando os costumes dos franceses. Realmente, não há como comparar. Os costumes são totalmente opostos aos nossos. Segundo ele, não é muito comum encontrar produtos light ou diet. As refeições são demoradas e há uma grande variedade de pratos. E consumindo todas essas calorias, como se explica essa “mágica ou seria contradição francesa”?

É parece brincadeira. Mas, de acordo com o livro do Dr., Will Clower, a obesidade atinge aproximadamente 11, 3% (para mais ou para menos) da população e a incidência de doenças cardíacas na França pode ser até três vezes, menor que nos Estados Unidos.

Segundo o autor do livro, a explicação para esse fenômeno na vida dos franceses está na cultura mesmo do povo. Que é de longe muito diferente da nossa e, principalmente dos EUA, que têm infinidades de produtos diet e light. Como? Os franceses valorizam a comida, o sabor de suas refeições e não fast-food como os americanos. E para Clower isto já faz toda a diferença. Bom, já que o assunto é comer bem sem engordar, separamos algumas dicas a La francesa, para você aprender e passar a diante para seus amigos que estão na luta feia com a balança. Voilà!

Valorize o momento das refeições
A hora da refeição é sagrada, sim. Concentre-se nela. Aprenda, tente saborear a comida. Esqueça internet, TV, livros, e evite comer em pé. Sente-se. Agradeça por mais um dia de vida e alimento e coma. Com vontade. Devagar, claro. Mastigar bem, também favorece nesse processo de emagrecimento.

Aprenda com o milagre da multiplicação dos pães: Sirva-se com porções pequenas. Nada de exageros. Normalmente quem está acostumado a comer muito ou encher o prato – vai achar que não é suficiente, mas de acordo com o autor do livro – é aí que mora o engano. Os franceses saboreiam a comida. Valorizam mesmo.

A explicação é bem tranqüila – nosso cérebro precisa de no mínimo 20 minutos para processar a informação de que estamos nos alimentando. Se comer rápido, ele não processa, logo não entende – resultado – você come mais. Do contrário ao mastigar com calma e saborear sua refeição fará com ele entenda e você se sinta satisfeito. Sem aquela baita euforia em repetir ou colocar mais e mais no prato.

Diga não aos lanches e coma alimentos de verdade
Tudo que é feito com moderação, não provoca qualquer problema. O mesmo serve na alimentação. Viver só de lanche não é uma atitude inteligente muito menos saudável. Por isso, prefira alimentos frescos, bem cozidos, naturais e nada de alimentos industrializados ou com conservantes, corantes, acidulantes, etc. O Dr. Clower garante que você notará a diferença.

Menos doce, menos açúcar
Mas e quanto ao chocolate? E aos vinhos? Calma, amiga. Não precisa ser radical. Lembra da moderação? Pois bem, você pode emagrecer até comendo um chocolate. Na verdade, o que faz a diferença entre os alimentos da França com os nossos é que por lá, os doces, pães, entre outras guloseimas não levam tanto açúcar como os daqui, por exemplo. A questão de comer um docinho aqui outro ali não está no “doce” em si, mas sim na quantidade consumida. Quanto mais se come, mais se quer. É ou não é?

Resumo da Ópera
Os ensinamentos do Dr. Will Clower querem nos mostrar o óbvio. As mensagens estão (todos os dias e anos), nas revistas de beleza e saúde, ou em sites como o Diário da Beleza, entre outros que se igualmente se preocupam em passar a informação da melhor forma possível:

Você pode tudo, desde que o faça com moderação e vá aos poucos eliminando certos alimentos e itens que poderão prejudicar sua saúde e estética. Reeducar-se é a palavra-chave e, para isso, o primeiro passo tem de ser dado por você. Não adianta tentar mil coisas –se você não estiver determinado a mudar seus hábitos. Será tempo perdido. Se você realmente quiser, você pode. Você consegue. E o processo acontecerá naturalmente…

Fonte: Livro “A não-dieta-dos franceses”, Will Clower, Editora Campus. / Foto: Reprodução