Protetor solar: estudo mostra que uso diário rejuvenesce

protetor solar

Você sabia que o uso diário do protetor solar pode reverter os sinais da idade? 😀

Pois bem, foi o que revelou um estudo clínico feito ao longo de um ano pela ROC®, marca de dermocosmético da Johnson & Johnson.

Tanto que a pesquisa foi publicada na Dermatologic Surgery, – importante publicação dermatológica americana, que avaliou a eficácia do uso constante do protetor solar.

Olha só que interessante, o estudo sugere que o uso contínuo de filtro ao longo das 52 semanas ajuda a prevenir danos na pele e a melhorar os sinais visíveis de fotoenvelhecimento que já existem.

Pra se ter uma ideia, o fotoenvelhecimento é caracterizado clinicamente por rugas, despigmentações, alterações na textura da pele, e de fotocarcinogênese, que são aquelas manchinhas que podem se tornar cancerígenas.

A pesquisa e o resultado

Ficou claro que os protetores solares exercem um papel essencial na prevenção desses problemas na pele.

Aliás, o estudo de ROC® afirma que, além de prevenir, o protetor solar também é capaz de reverter o fotodano, ou seja, exposição acumulada sem a proteção apropriada.

Os pesquisadores estudaram 33 mulheres de 40 a 55 anos, com pele branca e exposição moderada ao sol.

protetor solar

Divulgação ROC

O estudo chegou ao fim depois de um ano, com 32 mulheres, que aplicaram protetor solar SPF 30 fotoestável, ou seja, a molécula não sofre danos ao absorver a luz do ambiente, e de amplo espectro, protege a pele da radiação solar e também raios UVA e UVB, todas as manhãs no rosto inteiro.

O protetor solar aplicado possuía ingredientes básicos, sem aditivos anti envelhecimento.

Todos os parâmetros de fotoenvelhecimento avaliados por dermatologistas melhoraram significativamente já na 12° semana. Uau!

Foram analisados superfície e tom de pele, sendo assim:

:: textura, clareza, uniformidade de tom e pigmentação discreta diferente da natural da pele e manchas.

Depois de um ano, as melhoras clínicas foram de 52% em manchas, 40% na textura e 41% na clareza da pele.

Já a melhora que ocorreu em tom e pigmentação da pele foi particularmente notável, uma vez que as avaliações finais foram feitas no final do verão, período em que a cútis tende a apresentar um tom desigual e manchas mais evidentes.

O estudo conclui que a importância da fotoproteção é reconhecida para prevenção de envelhecimento na aparência da pele, mas também garante que os sinais já instalados serão atenuados e que a aparência da pele melhorará significativamente com o uso constante de protetor solar.

A – D – O – R – E – I!

###

Foto destaque: Reprodução | Google Imagens