Adeus, papada! Tratamento pode acabar com queixo duplo

queixo duplo

Graças ao desenvolvimento de novas tecnologias dermatológicas, agora já existem tratamentos personalizados para acabar com o queixo duplo, eliminando a gordura e a flacidez da papada.

Um novo protocolo desenvolvido pela dermatologista Dra. Thais Pepe promete trazer resultados para realçar o contorno facial e minimizar o queixo duplo, ou a temida papada!

O novo tratamento leva o nome de Hot Cold, que combina o congelamento da criolipólise do CoolMini, uma ponteira específica para redução da gordura abaixo do queixo.

Já o ultrassom do Ulthera é para promover aquecimento e melhorar a flacidez da região. A médica comenta que a redução de gordura é de cerca de 25%.

E ainda de acordo com a dermatologista, os resultados são visíveis a partir de três semanas e os finais depois de três meses. Bacana, não?

“A vantagem do Hot Cold é tratar a gordura e a flacidez de uma forma não invasiva, sem precisar de cirurgia e, portanto, sem tempo de recuperação.

O procedimento dura de 45 minutos a 1h30 e a paciente pode voltar à rotina normal no mesmo dia”,

Adeus queixo duplo!

Criolipólise

Técnica criada por estudiosos de Harvard funciona por meio do resfriamento seletivo das células de gordura, provocando uma destruição dessas células, que, pelo processo de frio, entram em morte celular programada (apoptose).

Esse efeito ocorre ao longo de 90 dias. A gordura passa a ser eliminada lentamente por meio do sistema linfático.

Ulthera

A tecnologia ultrapassa a superfície da pele para aplicar energia na profundidade com a temperatura e precisão ideal para estimular a formação de novas fibras de colágeno.

“Como resultado, a pele fica mais firme e enrijecida. O ultrassom microfocado é feito logo após a criolipólise, potencializando o tratamento e promovendo mais firmeza”, explica a dermatologista.

Fonte: Dra. Thais Pepe, dermatologista especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, membro da Sociedade de Cirurgia Dermatológica e da Academia Americana de Dermatologia.

Foto: Divulgação / Holding Comunicação